BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 21 de novembro de 2019
Postado por: Equipe CPDMA

STJ indica alteração em entendimento sobre certidão fiscal

Ministros da 3ª Turma indicaram que exigiriam o documento se o caso em análise tratasse de recuperação posterior à Lei nº 13.043/2014.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) poderá mudar o entendimento que dispensa as empresas em recuperação judicial de apresentarem Certidão Negativa de Débitos (CND). Em julgamento nesta semana, os ministros da 3ª Turma indicaram que exigiriam o documento se o caso em análise tratasse de recuperação posterior à Lei nº 13.043/2014 – que instituiu o parcelamento tributário especial para as companhias em crise – e que vão pautar a matéria para “breve”.

A exigência da certidão está prevista no artigo 57 da Lei de Recuperação Judicial e Falências (nº 11.101, de 2005). Esse dispositivo estabelece que o documento deve ser apresentado ao juiz após a juntada nos autos do plano de pagamento que foi acordado com os credores em assembleia-geral. Seria um dos requisitos para a concessão da recuperação.

Mas as empresas sempre conseguiram afastar essa exigência por conta de um outro artigo da lei. O 68 prevê um parcelamento das dívidas com a Fazenda Pública. Há decisão da Corte Especial do STJ de 2013 neste sentido (REsp nº 1187404). Os ministros entenderam que, como naquela época não existia tal programa, não haveria como se exigir a apresentação de certidão fiscal.

Só que o parcelamento foi instituído no ano de 2014 e desde lá a jurisprudência não foi revisada pelo STJ. Em primeira e segunda instâncias, as decisões são divergentes. Parte dos juízes exige a apresentação da CND e outra parte ainda dispensa. O principal argumento daqueles que dispensam a apresentação do documento é de que o programa instituído pela Lei nº 13.043 não atendeu as necessidades do mercado. São 84 parcelas e não há descontos em juros e multas.

O STJ ainda não enfrentou essa discussão. Havia a expectativa de que pudesse ocorrer na terça-feira porque o caso em análise na 3ª Turma, apesar de ser anterior à lei do parcelamento, tinha uma particularidade: a empresa solicitou a aprovação de um novo plano de pagamento no ano de 2015 – ou seja, um ano depois de instituído o programa.

A empresa envolvida nesse processo é a gaúcha Recrusul, de implementos rodoviários (REsp nº 1719894). Para o representante da companhia, Fellipe Bernardes da Silva, não havia como aplicar a regra do parcelamento a esse caso porque não tratava-se de concessão de recuperação judicial. “O que ocorreu foi uma alteração do plano e, nesse caso, não se aplica o artigo 57 da lei”, afirmou ao Valor. Já para a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) a regra deveria ter sido aplicada e a lei do parcelamento teria de ser levada em conta. “Essa reformulação do plano precisa preencher todos os requisitos formais e, dentre eles, a apresentação da CND”, sustentou o procurador João Grognet, coordenador-geral de estratégias de recuperação geral de créditos da PGFN.

Ele chamou a atenção, na tribuna da 3ª Turma, que a dívida no caso em análise era de R$ 86 milhões – R$ 51 milhões com a Previdência Social. A reformulação do plano de pagamento dos credores, disse, envolve a venda do único imóvel, que serviria para pagar até as dívidas da classe de credores quirografários, que, em um processo de falência por exemplo, estão bem atrás do Fisco na ordem de prioridade para o recebimento.

Relatora do caso, a ministra Nancy Andrighi, se disse “sensível as colocações do procurador”, mas, no seu entendimento, a lei não poderia retroagir. Ela negou o recurso da PGFN, mas indicou que se não fosse a questão processual atenderia o pedido. “É só em face disso, desses argumentos de irretroatividade, que eu não estou provendo o recurso”, enfatizou.

O entendimento da ministra foi seguido de forma unânime na turma. Marco Aurélio Bellizze e Villas Bôas Cueva afirmaram que devem pautar para “breve” a matéria. “Não temos condição de modificar, na turma, uma jurisprudência da Corte que só tratou de questão anterior à lei de 2014. Mas eu estou pautando um recurso especial”, disse Bellizze.

Fonte: Joice Bacelo via Valor Econômico.

Voltar

Posts recentes

Com importantes alterações na Lei das S/A e o fim da EIRELI, Lei do Ambiente de Negócios é sancionada

Foi sancionada pela Presidência da República, na última quinta-feira, 26 de agosto, a Lei nº 14.195/2021, originada pela Medida Provisória nº 1.040/2021, que visa ampliar a qualidade do ambiente de negócios no país, facilitando a abertura e o funcionamento de empresas, bem como protegendo acionistas minoritários nas Sociedades Anônimas de capital aberto e fechado. Dentre […]

Ler Mais
Uma nova obrigação tributária para o Produtor Rural

A partir de maio de 2021, os Produtores Rurais passaram a ter que entregar a obrigação acessória denominada EFD-REINF, sob pena de aplicação de multas que partem de R$ 20,00 e chegam até 2% do total dos tributos devidos no mês de competência. Mas, afinal, o que significa EFD-REINF? A Escrituração Fiscal Digital de Retenções […]

Ler Mais
O Futuro das Holdings com a ameaça da reforma do IR

A isenção do Imposto de Renda sobre os dividendos e a possibilidade de deduzir como despesas os valores pagos a título de Juros sobre Capital Próprio (JCP) foram criados há mais de 25 anos, como forma de tornar mais atrativo o investimento nas empresas nacionais, em um plano de alcançar maior parcela do capital estrangeiro […]

Ler Mais
Aprovado o marco legal das startups

O Governo Federal sancionou na terça-feira passada (01/06) o Marco Legal das Startups e do Empreendedorismo Inovador, através da Lei Complementar nº 182/21, a qual trouxe também importantes alterações na Lei das Sociedades Anônimas (Lei nº 6.404/76). O texto sancionado apresenta medidas de estímulo à criação de empresas inovadoras e incentivos aos investimentos por meio […]

Ler Mais
MP 1.040/21 traz importantes alterações na Lei das Sociedades Anônimas e na Lei de Registros Mercantis

Na última terça-feira, 30 de março de 2021, foi publicada a Medida Provisória nº 1.040/2021, que trouxe importantes alterações no âmbito societário. Dentre elas, foram promovidas significativas alterações na Lei das Sociedades Anônimas (Lei nº 6.404/1976) e na Lei de Registro Público de Empresas Mercantis (Lei nº 8.934/1994). Para destacar os principais pontos alterados, seguem […]

Ler Mais
Cresce a discussão sobre a possibilidade de revisão dos contratos futuros de soja

A forte elevação do preço da soja tem causado um grande debate sobre o cumprimento dos contratos formalizados em 2020 com vencimento previsto para 2021. Os produtores rurais defendem que a variação do preço é muito grande. Os compradores temem não receber o produto nas datas previstas. O que se observa é o aumento do […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram