BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 30 de outubro de 2020
Postado por: Equipe CPDMA

Cram down: método alternativo para a aprovação do plano de recuperação judicial

A Lei 11.101/2005 trouxe requisitos específicos para a aprovação do plano de recuperação judicial, buscando equilíbrio entre os credores e proteção do interesse social. Segundo a disposição legal, o plano poderá ser aprovado caso não haja nenhuma objeção dos credores, ou quando aprovado pela maioria em assembleia geral de credores na forma do art. 45 da LRF. Porém, caso não aconteça a aprovação em nenhuma das duas primeiras etapas, poderá, ainda, ser imposto aos credores pelo sistema denominado como cram down.

cram down (goela abaixo) é uma imposição do poder público aos credores para proteger o interesse da massa de credores, o interesse social e proteger empresas viáveis. Oriundo da legislação norte-americana, mais especificamente na Section 1129 (b) do Chapter 11 do Bankruptcy Code, o sistema brasileiro é criticado pela doutrina por ser conhecido como um sistema fechado muito mais rigoroso que o do “Tio Sam”.

Isso porque o sistema pátrio buscou apenas uma forma alternativa de aprovação do plano de recuperação, diminuindo o quórum necessário e alterando critérios objetivos enquanto que, o cram down norte-americano, analisa questões mais amplas como a proibição de uma discriminação injustificada – does not discriminate unfairly– e que, necessariamente, o plano seja justo e equitativo – fair and equitable.

No nosso sistema, o cram down poderá ocorrer quando o plano de reestruturação for aprovado por pelo menos metade das classes de credores (trabalhista, garantia real, quirografário ou ME/EPP) e, cumulativamente, deverá haver aprovação de mais da metade de todos os créditos participantes da assembleia geral de credores. 

A Lei 11.101/2005 ainda traz outros dois requisitos: o primeiro exige que a classe que rejeitar o plano tenha pela menos 1/3 de votos favoráveis (calculados por cabeça e/ou por crédito, dependendo da classe) e o segundo, e último, exige que essa classe não tenha tratamento diferenciado entre os credores. Cumpridos os quatro requisitos, o juiz da causa deverá considerar o plano de recuperação aprovado.

Porém, em alguns casos, esse quórum será impossível de ser atingido. Isso ocorre, por exemplo, quando existem apenas um ou dois credores na classe, o que impossibilita o quórum simples (por cabeça) de 1/3 ou, quando um dos credores detém mais de 70% dos créditos, o que impossibilita atingir 1/3 do valor dos créditos.

Nesses casos, em sua grande maioria, a jurisprudência vem desqualificando o voto negativo ao plano, ou seja, sob o argumento de abusividade do direito ou, ainda, simplesmente pela aplicação do princípio da preservação da empresa, o voto negativo é retirado do cômputo restando na base votos suficientes para atingir o quórum para o cram down.

Fonte: Wagner Luís Machado, advogado da Cesar Peres Dulac Müller, é especialista em Direito Empresarial.

Voltar

Posts recentes

Com importantes alterações na Lei das S/A e o fim da EIRELI, Lei do Ambiente de Negócios é sancionada

Foi sancionada pela Presidência da República, na última quinta-feira, 26 de agosto, a Lei nº 14.195/2021, originada pela Medida Provisória nº 1.040/2021, que visa ampliar a qualidade do ambiente de negócios no país, facilitando a abertura e o funcionamento de empresas, bem como protegendo acionistas minoritários nas Sociedades Anônimas de capital aberto e fechado. Dentre […]

Ler Mais
Uma nova obrigação tributária para o Produtor Rural

A partir de maio de 2021, os Produtores Rurais passaram a ter que entregar a obrigação acessória denominada EFD-REINF, sob pena de aplicação de multas que partem de R$ 20,00 e chegam até 2% do total dos tributos devidos no mês de competência. Mas, afinal, o que significa EFD-REINF? A Escrituração Fiscal Digital de Retenções […]

Ler Mais
O Futuro das Holdings com a ameaça da reforma do IR

A isenção do Imposto de Renda sobre os dividendos e a possibilidade de deduzir como despesas os valores pagos a título de Juros sobre Capital Próprio (JCP) foram criados há mais de 25 anos, como forma de tornar mais atrativo o investimento nas empresas nacionais, em um plano de alcançar maior parcela do capital estrangeiro […]

Ler Mais
Aprovado o marco legal das startups

O Governo Federal sancionou na terça-feira passada (01/06) o Marco Legal das Startups e do Empreendedorismo Inovador, através da Lei Complementar nº 182/21, a qual trouxe também importantes alterações na Lei das Sociedades Anônimas (Lei nº 6.404/76). O texto sancionado apresenta medidas de estímulo à criação de empresas inovadoras e incentivos aos investimentos por meio […]

Ler Mais
MP 1.040/21 traz importantes alterações na Lei das Sociedades Anônimas e na Lei de Registros Mercantis

Na última terça-feira, 30 de março de 2021, foi publicada a Medida Provisória nº 1.040/2021, que trouxe importantes alterações no âmbito societário. Dentre elas, foram promovidas significativas alterações na Lei das Sociedades Anônimas (Lei nº 6.404/1976) e na Lei de Registro Público de Empresas Mercantis (Lei nº 8.934/1994). Para destacar os principais pontos alterados, seguem […]

Ler Mais
Cresce a discussão sobre a possibilidade de revisão dos contratos futuros de soja

A forte elevação do preço da soja tem causado um grande debate sobre o cumprimento dos contratos formalizados em 2020 com vencimento previsto para 2021. Os produtores rurais defendem que a variação do preço é muito grande. Os compradores temem não receber o produto nas datas previstas. O que se observa é o aumento do […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram